Resenha Cidades de Papel

Mais uma obra fascinante de John Green...

Sinopse: Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Nota pessoal: Para mim, Cidades de Papel é delicado e ao mesmo tempo intenso. Uma história sobre adolescentes que vai muito além do que só garotos num conto de romance. É uma descoberta de si mesmo, e a consequência de suas escolhas. Envolvente, leve, divertido e surpreendente. John Green mais uma vez mostrou ao que veio. Só acho que o final poderia ser de outra forma. Mas mesmo assim eu consegui compreender o fim, e imaginá-lo depois da última página. 

QUOTES:

"Isso sempre me pareceu tão ridículo, que as pessoas pudessem querer ficar com alguém só por causa de beleza. É como escolher o cereal de manhã pela cor, e não pelo sabor".

 "A cidade era de papel, mas as memórias, não. Todas as coisa que tinha feito ali, todo o amor, a pena, a compaixão, a violência e o desprezo estavam aflorando em mim".

 "Mas ainda há um tempo entre o momento em que as rachaduras começam a se abrir e o momento em que nós nos rompemos por completo. E é nesse intervalo que conseguimos enxergar uns aos outros, por que vemos além de nós mesmos, através de nossas rachaduras, e vemos dentro dos outros  através das rachaduras deles".

"E então ela me encarou: - É como uma promessa. Pelo menos esta noite. Na saúde e na doença. Na alegria e na tristeza. Na riqueza e na pobreza. Até que o sol nos separe".

Título: Cidades de Papel
Título original: Paper Towns
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Nº de páginas: 366


4 comentários:

  1. Esse vai ser meu próximo livro a ser lido, agora que comecei a ler o 1º livro de John Green ainda não tinha lido nenhuma obra dele!

    http://voceeoquele.blogspot.com.br/2014/02/resenha-insurgente-veronica-roth-volume.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é um ótimo livro que recomendo a todos. Bjs.

      Excluir
  2. Este livro tem aparecido muito em minhas pesquisas ultimamente acho que é o destino me empurrando para ele.

    ResponderExcluir
  3. Adorei a resenha. Fiquei encantada com história do livro, com certeza vou colocar na minha lista de livros para ler.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.